.

.

11 dezembro 2009

Pergunta-me



Pergunta-me
se ainda és o meu fogo
se acendes ainda
o minuto de cinza
se despertas
a ave magoada
que se queda
na árvore do meu sangue

Pergunta-me
se o vento não traz nada
se o vento tudo arrasta
se na quietude do lago
repousaram a fúria
e o tropel de mil cavalos

Pergunta-me
se te voltei a encontrar
de todas as vezes que me detive
junto das pontes enevoadas
e se eras tu
quem eu via
na infinita dispersão do meu ser

se eras tu
que reunias pedaços do meu poema
reconstruindo
a folha rasgada
na minha mão descrente

Qualquer coisa
pergunta-me qualquer coisa
uma tolice
um mistério indecifrável
simplesmente
para que eu saiba
que queres ainda saber
para que mesmo sem te responder
saibas o que te quero dizer...

Mia Couto




Imagens de hoje, à caminho do trabalho.

8 comentários:

Danielle Macena disse...

passando so pra desejar uma boa noite

EDUARDO POISL disse...

Lindo poema!!!
Conheço este lugar rssssssss, Lindas tuas fotos da lagoa.
Beijos te amo

Mundo Animal. disse...

HOLA SONIA QUE BELLO POEMA,QUE DISFRUTES DEL FIN DE SEMANA

CHRISSSSSSSSSSS

Juan Antonio Torron Castro disse...

Sonia, bonitos textos y unas fotos muy guapas, saludos y buenas Fiestas.-

Sandra disse...

Como é bom conhecer pessoas, assim tão maravilhosas e cheias de vida.
Trazem no coração o amor pela arte e pela vida.
Retribuo o seu carinho no blog.
Fico feliz, com a sua presença, Sonia.
Muito obrigada pela sua companhia.
Com muito carinho,
Sandra

direitinho disse...

Poema cheio de ternura.
Só mesmo Mia Couto nos poderia dar este sabor da _PERGUNTA-ME

momo disse...

Se eras tu
que reunias pedaços do meu poema...

que belleza, todas las mañanas me detengo , porque sé, que las imágenes y las palabras que encuentro en tu Isla, me van a congraciar con el mundo de nuevo.
feliz fin de semana, amiga

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Aqui estou a desejar-lhe um bom resto de fim de semana.

Bjs

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.