.

.

06 janeiro 2010

CAIS



Nenhum cais
Será apenas
De partida ou de chegada...

Há em cada regresso
A mágoa de partir
Cada ida
Tem agrilhoada
A saudade de ficar
Quando anuncias que vais

Sobra sempre um beijo
Desconforto
Quando o lenço branco
Se desdobra
E absorto
Se despede ao vento
E em silêncio
Diz adeus ao sentimento
Quem sabe... até nunca mais!
E morrem no esquecimento
Casas à beira do cais...

João Moutinho




As imagens são de hoje, à caminho do trabalho, Barra da Lagoa e uma visão geral da Lagoa, de quem vai pela rodovia. Clique nas fotos para vê-las em tamanho maior. Para conhecer meu blogger mais recente, confira no endereço:
http://schmorantz.wordpress.com/

21 comentários:

Sonhadora disse...

Sonia
Como sempre, belos poemas e lindas fotos

beijinhos

sonhadora

EDUARDO POISL disse...

Fez lindas fotos hoje.
Beijos te amo

Sweetie disse...

Seu blog é lindo, com imagens maravilhosas....parabéns
Nossa Ilha é mesmo para ser fotografada todos os dias, em todos os momentos...

Peço desculpas pela demora em te responder, estou de férias e na praia e afastada um pouco da net..
Obrigada pelas palavras no meu blog, adorei...
Te desejo um 2010 com tudo de melhor...

Beijo sereno
Beijo meu

Sweetie disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
direitinho disse...

Olá Sónia
Gostei muito deste poema de João Moutinho.
Todos os cais tem uma parte da dor de quem fica e de quem vai e tudo naqueles momentos se desdobra em desconforto e saudade como lenços brancos que se agitam no vento.

Georgia disse...

Sonia, que imagens lindas que você tem indo para o trabalho, que relax já pela manha. Aqui está muito frio. Na minha regiao menos 7 graus e neve na porta.

Um beijao

Gabi disse...

Sónia, poema lindo, e como sempre as suas fotos são uma delícia. Aproveito para lhe desejar um óptimo 2010, recheado de ilhas de magia. UM BEIJINHO ESPECIAL DE TODOSOSDIAS.

Maria Clarinda disse...

Maravilha de poema e de fotos...
Adorei.
Jhs mil

Daniel Costa disse...

Sonia

Um poema, para mim que vivi as emoções da partida e da chegada a cais, é bastante sentido. Ver de longe lenços brancos a acenar provoca frémitos emocionais. Aconteceu, ao ler o poema, num relace revi uma fase da vida e de novo me emocionei.

Encaro sériamente escrever o poema SÓNIA, dedicado a ti. Posso e ainda vir escolher fotos na Ilha, inclusivamente, a que estás sentada na lancha?

Daniel

Deusa disse...

Querida Sonia
Vim aqui pra te desejar
um Bom Diaaaaaaaaaa e um Abraço Carinhoso

Everson Russo disse...

Belissimo poema, é sempre muito triste ver alguem que se ama partindo, á uma dor incrivel...beijos e um belo dia pra ti.

Adolfo Payés disse...

Maravilloso poema.. un gusto siempre pasar por tu blog..

Un abrazo
Saludos fraternos...

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá minha amiga! passando para agradecer as visitas, os comentários e, principalmente pelo carinho. Muito obrigado por me permitires a tua amizade. Adorei o poema. Lindo! Como sempre, acertaste na escolha.

Abraços,

Furtado.

FOTOS-SUSY disse...

OLA SONIA, BELISSIMO POEMA...AS FOTOS ESTAO LINDISSIMAS...VOTOS DE UMA OPTIMA TARDE!!!
BEIJOS COM AMIZADE,


SUSY

Heitor Cardoso disse...

Imagem e poesia
vide: arte e fantasia.


Gostei :]

Fernanda disse...

Amiga Sónia,

Nada pior do que partidas e ter que dizer adeus!
Lembro-me quando o meu filho partiu para a Suiça, um menino ainda, eu pensei em suicidar-me...é verdade! Por mais estúpido que pareça!!!

Passados dois meses estava lá para o visitar e ficamos (eu e o meu marido) dez dias.
Agora passados tantos anos, ele vem e vai, em 2009 não veio, e a saudade mata-se via Skype.
Ele está bem e isso devia ser suficiente, mas não é igual.

Por isso amiga, eu sei do que falo esse seu belo poema.

Beijinhos,

Dois Rios disse...

Belas fotos, Sonia! Floripa é deslumbrante! Parabéns!

Quanto a poesia, é incrível como sempre associamos o cais à partidas e nunca à chegadas. Cais sempre lembra separação, tristeza, ausência. É um "sair sem abrir as portas." como escreveu Jards Macalé.

Beijos,
Inês

SAM disse...

Sonia, obrigada pelas excelentes partilhas!


Carinhoso beijo

Juliana Paez disse...

Adoro passar por aqui e limpar os olhos com tantas fotos lindas, limpar a mente com tantas palavras doces.

Adorooooo esse cantinho!!!

Bjos da JU

tossan disse...

Amiga Sonia, esta segunda foto com a mureta da estrada e a lagoa com os barcos no fundo é genial! Beijo

José Carlos Mendes Brandão disse...

Olá, Sônia. Um ótimo fim de semana para você.
Um abraço amigo.

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.