.

.

24 janeiro 2010

Depois da Chuva de Fábio Reoli



E hoje eu clareio com a força de um nascer de Sol...
Na lembrança de nem se saber o que se foi
Como primeiro raio de Sol que beija
A menina descalça na areia

Não caminho mais com passos apressados
Tampouco as solas de meus pés reclamam
Pois a imensa profundidade desse mar me faz leve
Me faz abraço
Me faz gota

E pensar que ontem eu chovia
Chorando como nuvem em final de tarde quente
Trovoando verdades com papel e lápis
Fazendo relâmpagos de cada palavra
Mas amanheceu
 E a aurora beijou o mar
Citando versos e rimas

Estranhos como manhã de Sol e Lua cheia
E na manhã não mais chovia
Somente eu, ainda um pouco lágrima
Chovia saudades na areia
Na beira da praia
O Sol nascia
E eu chovia...
E nas poças dessa chuva
Moram sonhos
E nas gotas desse mar
Moram olhares
Moram amores
Moro eu...

 Fábio Reoli





Domingo de preguiça, as imagens foram tiradas da sacada, porque o azul do céu e as nuvens eram irresistíveis. Até duas corujas resolveram namorar no terreno ao lado, um espetáculo para assistir horas...



Clique nas imagens para vê-las em tamanho maior.

20 comentários:

Zilda Santiago disse...

Passando bem rapidinho ainda de férias...Beijo no coração.

Lice Soares disse...

"... Mas a aurora beijou o mar
citando versos e rimas..."
Lindo, lindo, lindo!
Parabéns!
Bjs no coração.

sarah disse...

Sônia, sinto falta de vocês, e vendo essas imagens minha saudade multiplica... Boa noite!
Bjs

Sonhadora disse...

Lindo poema Sónia.
Belas fotos.

Beijinhos
Sonhadora

direitinho disse...

Parece que há muito tempo não encontrava tanta poesia nas palavras,no sonho e silêncio de cada ideia.
Fez uma linda escolha.

Everson Russo disse...

Belissimo poem que nos faz sonhar com cada palavra, cada cena de vida...um beijo e uma bela semana.

Sandokan disse...

À s vezes é preciso abanar a árvore da existência para caírem as folhas velhas. Talvez seja por isso que eu não quero saber quem pintou o céu de azul, mas eu quero é o resto da tinta, porque nós podemos matar o tempo, mas é sempre ele que nos enterra.
Gostei muito de vir aqui visitar o teu belo espaço. No carácter, na conduta, no estilo, em todas as coisas, a simplicidade é a suprema virtude. O destino une e separa pessoas. Mas nenhuma força é tão grande para fazer esquecer pessoas, que por algum motivo um dia nos fizeram feliz!
Boa semana!

Por toda minha Vida disse...

Partilhando com quem ama Poesia.

Bom dia. (no Brasil)

Serei tudo o que disserem
por inveja ou negação:
cabeçudo dromedário
fogueira de exibição
teorema corolário
poema de mão em mão
lãzudo publicitário
malabarista cabrão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!

Os que entendem como eu
as linhas com que me escrevo
reconhecem o que é meu
em tudo quanto lhes devo:
ternura como já disse
sempre que faço um poema;
saudade que se partisse
me alagaria de pena;
e também uma alegria
uma coragem serena
em renegar a poesia
quando ela nos envenena.

Os que entendem como eu
a força que tem um verso
reconhecem o que é seu
quando lhes mostro o reverso:

Da fome já não se fala
- é tão vulgar que nos cansa -
mas que dizer de uma bala
num esqueleto de criança?

Do frio não reza a história
- a morte é branda e letal -
mas que dizer da memória
de uma bomba de napalm?

E o resto que pode ser
o poema dia a dia?
- Um bisturi a crescer
nas coxas de uma judia;
um filho que vai nascer
parido por asfixia?!
- Ah não me venham dizer
que é fonética a poesia!

Serei tudo o que disserem
por temor ou negação:
Demagogo mau profeta
falso médico ladrão
prostituta proxeneta
espoleta televisão.
Serei tudo o que disserem:
Poeta castrado não!

Ary dos Santos

Gosto muito deste.

Vitor Chuva disse...

Olá Sonia!

A saudade de quem partiu - ou se perdeu - nem mesmo um lindo amanhecer do sol pode reparar ...
Triste confissão de quem ficou só, dito de forma bonita.

Um abraço.
vitor

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Fotos,poemas,poemas fotos.Sintonia perfeita.Tudo belo. Desejo ótima semana
//////
Atenção, você foi citado(a) no meu blog e tem direito de resposta

a magia da noite disse...

nem sempre a alma chove, por vezes irradia luz, como um Sol que nasce dentro de nós.

Dora Regina disse...

Sonia, muito bem escolhido o poema, uma perfeita sintonia entre você, o autor e as belíssimas imagens.
Tenha uma excelente semana!

Anne Lieri disse...

Sonia,poesia maravilhosa,radiante em cada verso!Adoro passear por aqui!Amei suas fotos tb!Bjs,

Ana Maria disse...

Li, reli a poesia, belíssima!
As fotos são maravilhosas!
Palavras e palavras, li e ouvi.
Beijinhos!

Isa disse...

Deixei os olhos pousados nas fotos!
Engraçado:nunca fui ao Brasil! Que sensação é esta de conhecer???
Beijo.
isa.

Silvana Nunes .'. disse...

Lindo, Sonia.
FOI DESSE JEITO QUE EU OUVI DIZER... deseja uma semana de muita LUZ.
Saudações Florestais !

Nilson Barcelli disse...

O poema que escolheu é magnífico.
E as suas fotos são sempre simplesmente fantásticas.
Querida amiga, boa semana.
Beijos.

Toni Bra disse...

Boas noites....unas imagenes y texto muy sugerentes

poetaeusou . . . disse...

*
um festival de palavras,
lindas !!!
,
conchinhas serenas, ficam,
,
*

Lu disse...

Amei! o poema!
Depois da chuva fica tudo tão lindo, o céu mais azul, os bichinhos saem da toca e nós saimos de casa para curtir a tarde depois da chuva.

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.