.

.

15 abril 2010

Cada dia


O tempo se esfumaça
na janela em que se espreita a vida.
O alaranjado entardecer traz nostalgia
como se a vida também desaparecesse
com o sol ao final de cada dia.
Não se vive uma história sem amor
Não se faz um caminho sem coragem
Não se passa os dias em branco.
Há em cada dia uma chegada e uma partida,
coisas que estão além do bem e além do mal.
Cada dia tem sua dose de ironia e de amor
sua dose de rotina e sua dose de humor,
mas quando chega ao final morrem com ele
tudo que se passou, morremos nós.
Ficam as lembranças do que marcou,
o resto fica num labirinto de imagens,
engavetados na memória, sem uso...
Cada dia amanhece e anoitece à mesma hora,
cada um com seu destino ou desatino,
entre um e outro há o tempo que não volta.
O tempo parece brincar entre acasos e ocasos,
dias compridos, coisas novas e coisas velhas.
Depois desarruma tudo e vai embora...

Sônia Schmorantz


Imagens: Helena A. de Moraes, Tamine e Eduardo Poisl

16 comentários:

Leonor Lourenço disse...

Belíssimo Sónia. Achei lindo. Um beijo e um óptimo fim de semana
Leonor

RenaTinha Lira disse...

Um sonho.

Graça Pereira disse...

Lindo este poema sobre as horas do teu dia..."O tempo parece brincar entre acasos e ocasos"... e quantas vezes faz como tu dizes: "desarruma tudo e vai embora"... e, por vezes, já não volta...
Beijo e bom fds
Graça

Chica disse...

Tua poesia, explêndida e imagens maravilhosas a compõe!beijos,chica

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Sinceramente, um dos mais lindos que já fez, Sônia. Nuca consegui descrever o ocaso, o entardecer, embora ache muito lindo. Éo ciclo da vida. Do ocaso à aurora, da aurora ao ocaso. Assim também somos nós. Parabéns. Ótimo final de semana

Bloguinho da Zizi disse...

Sonia
Tua sensibilidade explode em poemas.
Lindo, marcante.
Muito obrigada por expressar aquilo que não consigo e por permitir que eu leia o que sinto.
Beijo

SAM disse...

Sonia,

um poema lindo! Versos bonitos e profundos. E as imagens, muito bonita.

"O tempo parece brincar entre acasos e ocasos,
dias compridos, coisas novas e coisas velhas.
Depois desarruma tudo e vai embora..."


Carinhoso beijo.

Jaclo disse...

Bellas tus fotografías, Sonia y más bellas aún las ideas que expresas con tus palabras:
"mas quando chega ao final
morren con ele
tudo que se passou, morremos nós"
Saludos.

Dora Regina disse...

Perfeito Sonia, você representa muito bem o amor em palavras, as imagens como sempre são lindas!
Um grande abraço e um ótimo fim de semana!

Nina disse...

Tempo, tempo, tempo!

Simplesmente amei!

Beijinhos

sam rock disse...

O tempo vaise como ese tren veloz, por iso hai que estar atento para non perder ese viaxe que é a vida.

Unha aperta e bo fin de semana.

Helena Castelli disse...

Querida Sônia, há pessoαs que são especiais pαrα αs nossαs vidαs, outrαs importαntes, rαríssimαs, indispensáveis. Algumαs nos fαzem felizes, muitαs nos fαzem rir, outrαs mαrcαm por umα vidα todα. Mαs voce consegue ser tudo isso em umα só!

Deixo-te a ternura de um abraço.
Helena

AROBOS disse...

¡Qué maravilla de poema y de fotos! Es un lujo leerlo y verlas.

Hana disse...

Oi querida vim retribuir seu catrinho em meu blog, olha eu estou igual seu poema cumprindo meu destino ou meu desatino aki no Japão, dei uma sumida pq estava viajando, no interior do japão conehcendo a maravilhas do oriente. lindo post amei beijocas pra vc.
com carinho
Hana

Andrea Galvez disse...

Sonia

Todas as vezes que venho aqui me surpreendo com teus poemas e imagens...mas este hoje foi especial, me tocou profundamente. Seriam estas as palavras que gostaria de dizer por tudo que sinto hoje.

Simplesmente maravilhoso...parabéns por tanta sensibilidade.


"Cada dia amanhece e anoitece à mesma hora,
cada um com seu destino ou desatino,
entre um e outro há o tempo que não volta."

estou levando pra mim..:)

Bjo, ótimo final de semana..:)

tossan disse...

Fabuloso isso! Poema e foto! Amazing! Beijo

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.