.

.

07 junho 2010

Nem tudo


Nem tudo que é vento voa
Nem tudo que é tempo passa
Nem tudo que é medo apavora
Nem tudo que é esperança consola
Nem tudo que é cansaço desanima
Nem tudo que é só isola
Nem todo amigo falha
Nem todo amor fica
Nem todo fogo alastra
Nem toda fome mata
Nem toda hora atrasa
Nem todo corpo casa
Qualquer pouca fé:
Salva.

Cáh Morandi



9 comentários:

El Drac disse...

Sim, mas algumas coisas parecem paradoxais, todos têm dentro de si sua própria contradição. Um abraço. Muito bom poema

Sônia Silvino disse...

Não consigo ficar longe de você!!!
Vim matar as saudades!
Vou ficar esperando a sua visita!!!
Tenha uma ótima terça-feira!
Bjkas, muitas!
Sônia Silvino's Blogs
Vários temas e um só coração!

direitinho disse...

Poema simples e de grande mensagem .

Primeira foto - Belissima

Daniel Costa disse...

Sonia

Interessante e simples poema de Cah Morand, boa proposta de reflecção. De facto, um optimista acrescentará: Nem tudo é mau.
Daniel

Bloguinho da Zizi disse...

Sonia
As tuas postagens são especiais.
Mas peço licença pra colocar no Bloguinho da Zizi, este poema.
Vai ficar na lateral, pra eu ler sempre.
Lindo.
Minha gratidão.
beijo

Branca disse...

Interessante poema! Bem reflexivo!

Bom dia!
Bjo!

Juliana Paez disse...

O melhor de visitá-la Soninha, é ler os postes que vc nos presenteia e sentir a beleza de cada céu aqui inspirado.

Lindoooo como sempre!!!

Bjo grande da JU

REGGINA MOON disse...

Sônia,

Lindo!!Como adoro os versos de Cáh Morandi...Parabéns pela escolha.

Um grande beijo!

Reggina Moon

VISITE MEU NOVO BLOG:

Fernando Pessoa(s)
www.fernandopessoas.blogspot.com

Priscila Lima disse...

que o belo canto dos passaros possam trasnformar um acorede simples de acompanhamento das ondas do mar... e em sua vida a melhor melodia e letra possa compor a delicadeza de suas postagens...
abraço.

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.