.

.

19 agosto 2010

NO CAMPO



Aproveita os nós desatados
o silêncio das águas perdidas
as fendas nas montanhas
aproveita as violetas entrecortadas
de desejo
os sinos soltos pela chuva
como sonhos desencantados
aproveita as caravelas invisíveis
assombrando as noites
os pios das corujas solitárias
aproveita os caminhos recém-abertos
por cogumelos escarlates
aproveita as rendas dos luares
de agosto
os rostos pontuando as sombras
aproveita os cavalos engravidando a terra
aproveita o peso escuro da terra
e tece teu poema

Roseana Murray



8 comentários:

AROBOS disse...

Hoy he leído, además, los laterales de tu blog y me ha gustado ese poema que empieza "Eu quero qualquer coisa magica..." y ese otro de "Chegam as primeiras chuvas anunciando...". Este últimos, tan otoñal, es bellísimo.

Vitor Chuva disse...

Olá Sonia!

A vida é em boa parte o que dela fazemos, e nela há muito para desfrutar quando olhamos com atenção à nossa volta.
Não podia estar mais de acordo com a visão poética de quem escreveu o poema.

Abraço amigo.
Vitor

Adolfo Payés disse...

Maravilloso poema con las imágenes preciosas..

Un gusto descubrir tus excelentes poema..

Un abrazo
Con mis
Saludos fraternos de siempre...

Que disfrutes del fin de semana....

Carmem Teresa disse...

Sua seleção de poesias é sempre muito bem elaborada...Mensagens poéticas valiosas são sempre encontradas aqui.Adorei. Abraço.

SolBarreto disse...

Lindo poema e como sempre lindas imagens....

Amor feito Poesia disse...

Nas horas tardias que a noite desmaia
Que rolam na praia mil vagas azuis,
E a lua cercada de pálida chama
Nos mares derrama seu pranto de luz

Fagundes Varela

BOM FDS.....Beijos no coração!!M@ria

Priscila Rôde disse...

De uma lindeza ÚNICA!

Maria Flor! disse...

Amo seu blog, o cheiro da maresia me fascina, tem gosto de mar no ar... E as poesias são fonte de inspiração.
E como estás bela na foto!
Muito bela...

Um forte abraço!

Feliz noite!

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.