.

.

21 fevereiro 2011

O Caminho


Quando se encontra o caminho

basta continuar a descobrir a paisagem
que ele corta ao meio,
e a pedra,
e a poeira
e os espinhos,
para que não sejam pisados.
Quando não se encontra o caminho
basta levantar as mãos
para que Deus as segure.


Zaé Junior




Imagens da Praia de Coqueiros, Florianópolis SC

12 comentários:

Luís Coelho disse...

Estas paisagens são encantadoras e o poema parece ser uma sombra num dia de Verão.
No meio desta vida onde os caminhos se cruzam basta olhar para o Céu e pedir a Deus ajuda.

rouxinol de Bernardim disse...

Uma preciosidade poética!

Bloguinho da Zizi disse...

Sônia
Quanta sensibilidade nesse poema.
E com essas fotos ...a gente vai ficando por aqui, sem se cansar.
Beijinhos

Wanderley Elian Lima disse...

Deus nunca nos abandona.
Um bom dia pra você

Dora Regina disse...

Parabéns por mais uma poesia de qualidade e conteúdo!
Abraços fraternos...

/(,")\\
./_\\. Beijos
_| |_

Sonhadora disse...

Minha querida

Um poema lindo e as fotos são de uma beleza enorme, adorei.

Beijinho com carinho
Sonhadora

Marcia Morais disse...

Sonia seu post esta lindo e as fotos um deslumbre um beijo querida!

Mar Arável disse...

Tudo muito belo

como sempre

Danielle Macena disse...

muito bom
passa la no meu depois
http://segredosdedanielle.blogspot.com/

Luísa N. disse...

Bom dia Sônia, aliás, com essas imagens, esse som e os lindos poemas que caminham por aqui, bom dia é apenas uma redundância, não é mesmo? Olha, Sônia, passei por aqui pra lhe repassar alguns selinhos que o Multivias ganhou do blog 'Aprendizes do Beija-flor', mas vi que você não é adepta de tais coisas. Fica o carinho da intenção... Beijos!

Cris Tarcia disse...

Lindo, lindo, e como sempre as fotos deslumbrantes.

Beijos

Carmem Teresa disse...

E que benção quando esses caminhos se encontram em poesia...

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.