.

.

28 maio 2011

Grão de areia


Entre milhões de palavras
como um grão de areia
está um invisível poema.
Um poema que nunca se escreveu.
Um poema feito grão de areia,
talvez parte de uma construção,
talvez não...
Pequeno grão de areia
em silêncio na beira do mar,
que vai sendo soprado
para um destino incerto,
talvez o mar, talvez o deserto.
Palavras que ao vento se vão
procurando a concha da sua vida.
Não tenho pressa, sou como este grão
também sigo a rolar na areia
até renascer na praia ou encontrar o
poema da minha vida...

Sônia Schmorantz


Gaivotas na praia dos Ingleses

5 comentários:

Luís Coelho disse...

Bom dia Sónia
Como são bonitos os grãos de areia. Ainda que estejam perdidos nas nuvens suaves de areia ou nas dunas onde nos recostamos em dias saturados de arestas .
Este mundo seria mais belo se todos os grãos de areia fossem poemas brilhantes e suaves como este.

(CARLOS - MENINO BEIJA - FLOR) disse...

Cadsa grão de areia é importante juntando-se ao demais formando uma linda praia. E seu poema, com certeza está habitando essa bela praia de poemas. LIndo demais,seu poema, amiga Sônia. Belo domingo desejo por aí.

Amaas: disse...

Minha amiga fizemos nossa Campanha do Agasalho (Ajude seu irmão a sentir menos frio)foi um susseso de uma olhada e comente o que vc achou..

Desde ja nosso muito obrigado..

Um bom domingo...

ONG ALERTA disse...

Lindas palavras, beijo Lisette.

Tereza Maria e Carmem Teresa disse...

Como milhões de grãos, somos seres aos milhares à espera da palavra que nos conduz ao destino da vida...Belo texto,com a grandiosidade e simplicidade que formam a poesia....

poesiasdecarmemteresa.bolgspot.com/

poesiasperfumadasdeterezamaria.blogspot.com

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.