.

.

24 julho 2011

Estranho Poema


Quis escrever o poema mais estranho
O mais realista e mais triste
Durante esta longa madrugada
Mas a caneta caiu-me da mão.

Quis escrever um nome
Soletrar todas as suas letras
Senti enorme vontade de o fazer
Mas a caneta caiu-me da mão.

Quis escrever sobre isolamento
Sobre despatriados, deslocados
Que não estão, nem aqui nem ali
Mas a caneta caiu-me da mão.

Quis escrever sobre mim
Emoções, razões, negações
Pensamentos, interrogações, pesar
Mas a caneta caiu-me da mão.

Quis escrever sobre a verdade
Aquela que se diz olhos nos olhos
E que é tão rara nos dias de hoje
Mas a caneta caiu-me da mão.

Quis, enfim, escrever qualquer coisa
Que o meu raciocínio não concebeu
Não encontrou uma forma de o fazer
E dei com a caneta caída no chão.

Estela Belém
Julho 2007


Imagens Praia dos Ingleses, Florianópolis

8 comentários:

Maria disse...

A caneta pode ter caído mas antes escreveu um poema maravilhoso.
Beijinhos
Maria

Rosemildo Sales Furtado disse...

Olá Sônia! Passando para agradecer a visita e o comentário, assim como, apreciar este belo poema, fruto das tuas acertadas escolhas. Parabéns!

Abraços e uma ótima semana pra ti e para o Eduardo.

Furtado.

MARILENE disse...

Belíssimas fotos!
Poema encantador. Bendita caneta que caiu e deixou surgir esses versos cheios de sentimento.

Bjs.

Daniel Costa disse...

Sonia

A brisa da ilha passou com o belíssimo poema de Estela Belém. A tua sensibilidade em destaque.
Beijos

Luciane Morais disse...

Bom dia amiga!

Uau! Amei o poema***simples, sublime, tocante... lindo como o vôo das gaivotas.

Tenha uma maravilhosa semana*
Abraços
Lu

Pepe Ventureira disse...

Hola Sonia...tu isla es un remanso de paz, y tu una estrella azul.

Un beso

Sotnas disse...

Olá Sônia, que tudo permaneça bem contigo!

Ainda que estivesse caída, a caneta quando empunhada estava deixou suas marcas escritas no papel, deixou sentimentos tão expressivos que mesmo que continue caída, jamais serão esquecidos.

Sempre com belas escolhas postadas em forma de poemas por aqui, além destas belas imagens também e isto fazem o teu espaço deveras agradável de se estar!
Grato por tuas visitas e comentários sempre tão gentis eu desejo a você e todos ao redor intensa felicidade, abraços e até mais!

Eloah disse...

Lindo poema! Mais lindas as fotos desta nossa Ilha de Sol e Mar.Parabéns pelas fotos belíssimas.Amei.Bjs Eloah

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.