.

.

14 fevereiro 2012


Não me deixem tranquilo
não me guardem sossego
eu quero a ânsia da onda
o eterno rebentar da espuma
As horas são-me escassas:
dai-me o tempo
ainda que o não mereça
que eu quero
ter outra vez
idades que nunca tive
para ser sempre
eu e a vida
nesta dança desencontrada
como se de corpos
tivéssemos trocado
para morrer vivendo.

Mia Couto




7 comentários:

LOURO disse...

Olá Sónia!

Linda postagem!!!Belas fotos acompanhadas de um poema sublime...

Bjs. de carinho e amizade,
Lourenço

Graça Pereira disse...

Um dos poemas mais bonitos de Mia Couto que fica bem na magia da tua ilha!
Beijo e bom Carnaval.
Graça

João Menéres disse...

Se eu soubesse onde fica essa maravilhosa ilha...

como te não visitava há tempos, dei uma olhadela para as postagens anteriores e estás a fotografar muito bem, Sónia !

E o poema do Mia Couto é soberbo de beleza poética !

Um beijo.

vieira calado disse...

Um notável homem de letras

este moçambicano!

Saudações poéticas!

João Menéres disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A VIDA É UM ETERNO APRENDIZADO disse...

Olá!
É um grande prazer conhecer seu blog e poder ler o que escreves.
Acredito que quando escrevemos com prazer conquistamos amigos e fiéis amantes das palavras. Sabemos o quanto é difícil levar a nossa voz, as nossas angustias os nossos sonhos às pessoas. Mas o mais importante é saber que você e eu gostamos daquilo que fazemos.E acreditamos que o mundo pode se tornar bem melhor através de nossos escritos.
Grande abraço
Se cuida

Rita Carrapato disse...

Olá Sónia

Mato saudades ao vir hoje aqui. E que bom foi encontrar Mia Couto, esse excelente escritor!

beijinho

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.