.

.

18 fevereiro 2013

Se eu fosse...



Como se a terra corresse inteirinha atrás do rio,
a seguir serras e vales num enorme caminhar,
eu vejo a imensa saudade escorrer-se sobre mim.
Sei de onde ela partiu. Não sei onde vai chegar.

Como se o rio voltasse todo ao encontro da terra,
e, num abraço apertado, inundasse a solidão,
eu sinto a minha saudade, penitência dos aflitos,
desesperar-se. E, aos gritos, mergulhar na imensidão.

Se eu fosse a terra, eu cumpria meu destino de ser leito.
Se eu fosse o rio, eu seguia meu destino de ser mar.
Eu não sou terra nem rio. Sou um barco de papel!
Onde vai, pois, um barquinho de papel a navegar?

Kátia Drummond


Imagem 1 Itaguaçu por Karla Poch
Imagem 2 Itaguaçu por Amoflorianopolis.wordpress.com

7 comentários:

✿ chica disse...

Muito lindo sempre aqui,Sonia! beijos,tudo de bom,chica

Sotnas disse...

Olá Sônia, e que tudo esteja bem contigo!


Assim é o seguir de tudo, cada qual seguindo e fazendo seu percentual, sempre com empenho, sem jamais se deixar perder-se do amor por tudo que vivemos!

E cá sempre belas escolhas tuas, com intenso bom gosto, de maneira à sempre compartilhar belos escritos e imagens, parabéns e obrigado!

E assim grato eu desejo que tenha sempre em teu viver esta felicidade intensa, um grande abraço e até mais!

Florianópolis e sua Magia disse...

Que linda Itaguaçu,.

O que interessa mesmo
não são as noites em si,
São os sonhos.

Perfeito

bjs

Florianópolis e sua Magia disse...

Andre Rieu, que paz!!!!

bj

José Ramón disse...

Es una satisfacción pasar por su blog. Saludos desde Abstracción texto y Reflexión

Florianópolis e sua Magia disse...

Pode parecer promessa
mas eu sinto que você é a pessoa
mais parecida comigo que eu conheço
só que do lado do avesso.

Pode ser que seja engano bobagem
ou ilusão de ter você na minha
mas acho que com você eu me esqueço
e em seguida eu aconteço.
Por isso deixo aqui meu endereço
se você me procurar eu apareço
se você me encontrar te reconheço.

Alice Ruiz

Florianópolis e sua Magia disse...

“Rede ao vento se torce de saudade sem você dentro.”
— Alice Ruiz

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.