.

.

11 abril 2013

O que eu fiz de mais puro...



O que eu fiz de mais puro
não foi rabiscar uma estrela,
ou desenhar um pássaro voando,
ou esculpir na madeira uma flor,
ou escrever um lindo poema de amor.
tudo isso posso fazer com as mãos.

o que eu fiz de mais puro
foi criar os meus lindos filhos
porque eu preciso todos os dias
de minha vida amá-los com o coração.

até o impossível a minha mão traça
mas amor não, amor é respiração.

Mauro Lúcio de Paula

6 comentários:

:.tossan© disse...

Maravilhoso! Poema e imagem, principalmente a primeira. Beijo
PS: Mesmo não sendo correspondido eu não posso deixar a beleza se perder.
Tenho que dizer alguma coisa. É bonito!

luís rodrigues coelho Coelho disse...

Um poema que me enche a alma e me deixa a cantar de alegria.
Os filhos são obras que não são nossas mas são as que mais amamos e para que queremos todo o bem.

isa disse...

Quando se fala de Filhos...os olhos brilham,a voz treme e o coração emociona-se.
Beijo.
isa.

Severa Cabral(escritora) disse...

FELIZ DIA DO BEIJO !!!!!!!!!!!!!!
BOM DIA !!!!!!!!!!!
ARQUITETA DE BONS PENSAMENTOS !
PARABÉNS PELO TALENTO EXPRESSO DE FORMA MAGISTRAL EM CADA PENSAMENTO...E EM CADA POEMA ...
BJS DE BOM DIA !!!!!

Graça Pereira disse...

Um poema maravilhoso onde os filhos, são pérolas a enfeitar cada verso, molhados pelos salpicos do mar ou...será que são lágrimas de alegria?
Beijos e bom fim de semana.
Graça

ACADEMIA MACHADENSE DE LETRAS disse...

Participe do ( Grupo Academia Machadense de Letras ). Publique seus poemas, contos, crônicas, livros, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo:
https://www.facebook.com/groups/149884331847903/

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.