.

.

12 janeiro 2014

Revolução contida...



Guardo dentro do peito
uma revolução contida
Vontade reprimida
de romper o sistema
viver do próprio lema
de só falhar pelo exagero
e viver cada dia
com muito mais emoção.
E guardo aqui no peito
uma coragem infinda
de enfrentar os mais temidos
Pichar ideais em muro
fazer visível o que há de errado
Nesses valores em inversão.
Mas fica tão bem guardado
que quando procuro não acho
e toda minha valentia
se perde em imaginação.

Fernanda Sabrina Siqueira Campos.


5 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Bom dia

Fabuloso poema.
Desejo-lhe um óptima semana
Beijo

http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

Henrique Rodrigues Soares disse...

Algumas vezes estamos como esta maravilhosa poesia!

Obrigado!

Eduardo Aleixo disse...

Desejo de libertar o coração, num poema que acariciamos com a mão.
Bonito.
Um beijo.

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!
Julgo que na altura própria não terei feito.
Mas faço-o agora.

Venho desejar-lhe um feliz ano de 2014.
Saudações poéticas!

Fernanda Sabrina Siqueira Campos disse...

Agradeço por ter compartilhado meu poema.
Fico feliz em saber que tocou o coração de vocês. ^^
Me senti agraciada com cada um dos comentarios!
Agora tenho um blog próprio em que divulgo meus poemas: fernandasabrinapoesia.blogspot.com.br

Abraços

Quem sou eu

Minha foto
Gaúcha, nos pampas nascida Um grande sonho acalentei Morar numa ilha encantada Cheia de bruxas e fadas. Nessa terra cheia de graça Onde se juntam todas as raças, Minha ilha lança ao poente O azul espelhado da lagoa, O verde silêncio das montanhas, O rumorejar de um mar azul Que beija apaixonado a areia da Minha ilha de renda poética. Não importa se há sol ou chuva, A mágica ilha é sempre azul, Fica gravada na alma e Quem aqui vem sempre vai voltar, Para descobrir novos caminhos, Novos destinos, pois Esta magia nunca irá acabar.

.

.